Computação quântica

28 setembro 2016


Este semestre tenho uma cadeira que aborda um tema que nunca tinha ouvido falar: computação quântica. Nesta área, há pessoas a trabalharem arduamente para construírem um (super) computador quântico que tem tanto de espetacular como de assustador. Por um lado, poderemos ter uma tecnologia que nos permite acelerar de forma inimaginável os nossos computadores. Para terem noção, um número de 512 bits demora, nos dias de hoje, quatro dias a ser factorizado, mas com um computador quântico demoraria trinta e quatro segundos. Por outro lado, no dia em que esse computador funcionar como esperam que funcione, a segurança do mundo inteiro perder-se-á, pois tudo o que está em segurança, hoje, devido à criptografia levaria segundos a ser desencriptado. 

Quão assustador é pensar que podemos perder tudo o que é virtualmente nosso? Que alguém com uma tecnologia destas possa virar o mundo do avesso? Os estudos estão feitos. Os cálculos estão acessíveis a qualquer um. Se é uma hipótese que pode falhar? É. Mas a verdade é que houve progressos. Pequenos, mas são progressos que, daqui a uns anos, se podem tornar numa realidade. E isso assusta-me. Sim, tudo isto pode ser usado para o bem da humanidade mas, sejamos sinceros, há sempre alguém que o uso para fazer o mal. E não acredito que aqui vá existir alguma exceção.

@helenaimagalhaes no instagram

25 setembro 2016


Conheci a Helena pelo seu blog, o The Styland, e apaixonei-me logo pela maneira de ela escrever. É uma escrita simples, mas ao mesmo tempo tão cativante. Depois disso, fui seguindo-a pelas restantes redes sociais e voltei a apaixonar-me pelo instagram dela. As fotografias dela estão carregadas de estilo e de um cuidado que é notório. Não parecem, de todo, daquelas forçadas apenas para ficarem bonitas, mas sim daquelas que retratam efetivamente os momentos do dia-a-dia dela. Na verdade, todas as fotografias da conta @helenaimagalhaes me transmitem as ideias que eu tenho da Helena: espontaneidade, energia e alegria. E, se uma conta nos consegue transmitir tão bem tudo o que achamos que caracteriza uma pessoa, como não segui-la e como não nos sentirmos inspirados por isso? 

21 setembro 2016


As novas mudanças na minha vida estão a custar mais do que aquilo que eu esperava.

A fase

16 setembro 2016


Sinto que cheguei a uma fase maravilhosa da minha vida. Uma fase em que me sinto bonita. Não por ter alterado alguma coisa externa em mim, mas por ser capaz de me desafiar a ser mais e melhor a cada dia que passa. Quão incrível isso é? Sentir-mo-nos bem e satisfeitos com aquilo que nos estamos a tornar é a maior alegria que alguém pode ter. E eu tenho a sorte de sentir isso. 

15 setembro 2016


Nunca provei sushi e não tenho muita curiosidade em fazê-lo.

Munchie (Food Corner)

14 setembro 2016

Fotografias da minha autoria. Não utilizar sem autorização.

Se há coisa que eu não consigo recusar é um convite para ir almoçar ou jantar fora. Por isso mesmo, há um tempo atrás desafiei uma amiga a isso mesmo: comprometer-mo-nos a ter mais tempo para um almoço. Estamos sempre à distância de poucos quilómetros e deixamos que a rotina nos domine e nos esqueçamos do quão próximos estamos e do proveito que poderíamos retirar disso. E começamos os nossos "encontros" no Munchie. 

Fomos ao restaurante que está inserido no Food Corner, que é um espaço muito engraçado que tem um restaurante diferente em cada andar. Dirigi-mo-nos ao segundo andar e o que difere aqui é que o pedido tem de ser feito ao balcão. Não é nada do outro mundo e começo a ver as grandes vantagens de as coisas funcionarem daquela maneira. Depois de feita a escolha e paga, é-nos dado um pequeno objeto que vibra assim que o nosso pedido estiver feito. Já tinha visto o conceito em Madrid e acho uma ideia brilhante porque nos permite sentar e aproveitar esse tempo para dar dois dedos de conversa. 


O Munchie, apesar de ter outras opções, é uma hamburgueria e os hambúrgueres principais são sete e cada um tem o nome de um dos pecados mortais. A minha escolha recaiu na Gula, não porque me identificasse com o nome (o que, na realidade, é verdade) mas porque o conjunto de todos os ingredientes me agradava bastante. E posso dizer que fiquei conquistada à primeira dentada. É d-e-l-i-c-i-o-s-o. E logo eu que nunca fui uma fã de hambúrgueres. Apesar disso, não posso deixar de falar, também, das batatas fritas. São finas, estaladiças e viciantes. Tão boas quanto o que parecem nas fotografias, garanto, e podem ser acompanhadas com maionese e ketchup que se encontram no balcão para que cada um se sirva à vontade.  

É óbvio que, depois desta experiência tão boa, já regressamos mais vezes. E comi, quase todas as vezes, o mesmo hambúrguer, o que prova que foi mesmo amor o que aconteceu entre nós. Eu, quando gosto muito de uma comida num restaurante, dificilmente mudo o meu pedido quando lá vou e aqui, muito provavelmente, acontecerá o mesmo. É uma experiência muito boa e aconselho vivamente toda a gente a passar por lá.

Rua do Ateneu Comercial 8-14
4000-380 Porto, Portugal

12 setembro 2016


Dedico-me sempre às arrumações antes do novo ano letivo começar. 

Deadpool (2016)

11 setembro 2016


Wade Wilson descobre uma coisa terrível: tem um cancro terminal. E, não podendo fazer nada contra isso, recebe uma oferta irrecusável de um desconhecido que lhe aparece do nada. Depois de refletir sobre tudo o que aquela decisão pode implicar, decide aceitá-la e submeter-me a um teste experimental que lhe faria não só acabar com as células cancerígenas dele, mas também tornar-se em algo extraordinário: um super-herói. Apesar de as coisas não terem corrido como o previsto, é certo que ele nunca perdeu o seu sentido de humor. Mas, apesar disso, não desiste de encontrar Francis, o homem que o colocou naquela situação, para ter a sua tão desejada vingança. 

Não sou fã da Marvel, mas este filme foge a tudo aquilo que estamos habituados a ver. Tirando o Homem-Aranha, não houve outro filme que me tivesse prendido ao ecrã até ao fim. Mas o Deadpool conseguiu. Acho que a história em si está muito boa e que a personagem foi muito bem explorada. Já para não falar das piadas que são, efetivamente, boas e de qualidade, e diz isto uma pessoa que não se ri facilmente com aquelas piadas tipicamente parvas. É, definitivamente, um bom filme para se ver numa pausa qualquer e para se dar umas valentes gargalhadas.

A caminhada

10 setembro 2016

Fotografia da minha autoria. Não utilizar sem autorização.

Hoje fiz mais uma caminhada. Precisava de gastar energia, de refletir e agradecer por tudo o que tenho e que me esqueço de dar valor. No entanto, reparei num pormenor interessante que faz parte do meu dia-a-dia, mas que me esqueço na maioria das vezes: eu faço muitas caminhadas a olhar para o chão. E, embora pareça algo completamente banal, hoje eu percebi que não é. Eu caminho a maior parte do tempo a olhar para o chão para ter a certeza de que piso um local confortável, que não me faça desequilibrar e cair. E quanto do mundo isso me faz perder? 

Com a correria dos dias, com a vida a andar a um ritmo alucinante, eu prefiro, na maioria das vezes, jogar pelo seguro olhando para o chão para não cair. Mas esqueci-me, enquanto me sentia confortável a andar assim, que isso me fez perder paisagens incríveis, pessoas que, por algum motivo, poderiam entrar na minha vida, momentos que me fariam rir. Quantas quedas valeriam esses momentos? Todas. Porque me apercebi que não se é fraco por cair, é-se fraco por deixar de viver e sentir tudo o que nos rodeia pelo medo de cair. 

09 setembro 2016


O fim do verão não me deixa triste porque eu adoro o inverno. 

Agenda Mr Wonderful 2016-2017

05 setembro 2016


A minha vida não funciona sem uma agenda para acompanhar o meu dia-a-dia. Compro todos os anos uma que me encha realmente as medidas e, para isso, é necessário que ela tenha cor e que me inspire. Nos últimos anos, as agendas da Rosa com Canela, que continuo a recomendar a qualquer pessoa, têm acompanho os meus dias. No entanto, já desde o ano passado que tenho as desta marca debaixo de olho. A diferença de preços não é quase nenhum e, por isso mesmo, decidi comprá-la.

Primeiramente, o que salta à vista são as cores e as frases inspiradores espalhadas por todo o lado. E não pensem que me refiro apenas àquelas ilustrações a que a marca nos habitou porque todos os dias, exceto os fins-de-semana, têm uma frase diferente. E isso conquistou-me mais um bocadinho.

Uma folha inicial de apresentação super amorosa, três espaços para horários semanais, duas folhas dedicadas a inspirações, tarefas, compromissos e listas no início de cada mês, registo de feriados de forma especial, vista semanal. Umas páginas com todos os meses em maior escala para notas rápidas, espaços para os contactos mais importantes, listas de coisas por fazer (que me vão dar muito jeito), páginas para apontar os gastos, espaço (suficiente para as coisas relacionadas com o blog) para as notas e, obviamente, umas dezenas de autocolantes maravilhosos para nos lembrarmos, de forma mais divertida, de dias especiais, de reuniões, de chamadas ou do fim dos exames. Há variedade para as diversas tarefas e acontecimentos. Por fim, existe uma folha em cartão desdobrável que tem, no seu interior, uma página dedicada a todos os acontecimentos deste ano que devem ser recordados, como os lugares para onde viajei, a decisão mais importante que tomei ou o meu maior desejo para este ano, e um calendário do final de 2016 e de 2017 e, no seu exterior, um calendário de 2018 e uma página onde é possível escrever as datas mais importantes de cada mês. E é esta sua a organização.


Normalmente, as agendas que compro são grandes porque são diárias. Mas desta vez arrisquei numa mais pequena, numa semanal, que continua a ter espaço suficiente para escrever tudo o que preciso sem que tenha que diminuir a minha letra. Para mim, é perfeita. E sei que, na correria do dia-a-dia, ela me vai fazer sorrir muito e motivar.

Para quem nunca fez encomendas desta marca, aconselho vivamente a fazerem-no no site oficial e não a comprarem em outras lojas. Apesar de se pagar os portes de envio, vale a pena por tudo o que trás a mais. Só para terem noção: esta agenda vinha dentro de um saco com uma frase muito parecida à da agenda (podem ver na fotografia de cima) que, por sua vez, vinha dentro de uma caixa, também com frases nos dois lados, juntamente com um cartão que tinha uma mensagem da equipa wonder e um chupa em forma de coração. A juntar a isto, ainda me foi oferecido este poster super amoroso. Como não ficar feliz com esta marca?

#Instagram - Julho e Agosto 2016

02 setembro 2016


Julho e Agosto foram dois meses felizes. Muito, por sinal. Foram mais preenchidos do que aquilo que algum dia eu poderia imaginar. Foram mexidos, intensos e sorridentes. Não poderia ter pedido um verão melhor que este e é muito gratificante sentir isto. Tive as pessoas certas do meu lado e momentos fantásticos que guardo com muito  carinho. Tive declarações inesperadas que me encheram o coração de uma maneira extraordinária, tive dias brilhantes e tive uma família junta à volta de uma mesa durante muito tempo. 

Se Julho começou com más vibrações, posso garantir que desapareceram logo. As festas da aldeia são uma ótima terapia e eu não podia deixar passar essa oportunidade. Músicas, amigos e sorrisos, há alguma combinação que valha mais a pena do que esta?



Depois desta lufada de ar fresco, vem outra ainda melhor: dias em família. E como eu os adoro! A mesa cheia, as crianças a brincarem e a felicidade a passar por cada um de nós. Assim ficaram marcados quinze dias do meu mês de Julho. Viajei até Paris para ver as pessoas que mais me fazem falta durante o ano e... Foi mágico! Literalmente. Assistimos ao batizado do mais pequeno da família e ao casamento de um dos meus tios. A França não poderia ter-me feito mais feliz do que o que fez. Infelizmente, também me mostrou o que é sentir medo do terrorismo, mas vou guardar isso para uma outra publicação porque há muitas coisas que vos quero contar sobre esse assunto.

Depois de ter sido tão feliz, não queria regressar. Mal eu sabia que ia chegar e não ia ter que desfazer a mala... Só foi preciso lavar a roupa suja e rumar à praia com aquela que será sempre a melhor amiga que algum dia poderia ter encontrado. Tivemos direito a gelados, a dias de descanso e tardes deitadas na praia. Foi o suficiente para ganhar aquela corzinha que eu adoro e que, infelizmente, já começa a desaparecer. Quando demos por nós, já era Agosto (ninguém nos manda adiar tantas vezes o regresso a casa).


E Agosto passou a um ritmo alucinante. Foi só ver os dias a correrem e a alertarem-me constantemente "As aulas estão a chegar". Mas eu deixei essa preocupação de lado. Aproveitei os dias para jantar mais vezes fora e, como não podia deixar de ser, para aproveitar em grande a festa da minha terra. Foi do melhor. Aliás: é sempre - mas este ano teve um gostinho diferente. O único problema é que passou a correr e, de repente, era quase o fim de Agosto. Sem grande coisa para fazer nestes últimos dias, aproveitei para os dedicar a mim. Para me mimar, para mudar algumas coisas e para ter sempre em mente que eu sou a responsável pela minha própria felicidade. 

Here I am (again)!

01 setembro 2016


Já antes do tempo que estive sem vir aqui que eu sabia que havia muitas coisas que tinha andado a ver da maneira errada e que não poderiam continuar assim. Então, fui mudando a minha postura em relação às pessoas, às mudanças e às inevitabilidades. Com o tempo tornei-me uma mulher cada vez mais feliz por saber que essa transformação me estava a levar à minha melhor versão. E não há nada melhor do que isso. Definitivamente, não há.

Talvez por força dessa mudança, ou por outra razão qualquer que, sinceramente, já não importa, as coisas mudaram. A minha relação terminou. Podia dizer que fiquei triste, que chorei ou que ainda sonho em reatá-la, mas isso não é verdade. A verdade é que nunca me senti tão bem como agora. Há um mundo inteiro lá fora e todo o tempo que tenho é demasiado precioso para ser desperdiçado em lamentações do que já passou. Hoje, mais que nunca, sou eu mesma e todos os dias agradeço por isso.

Como consequência disto tudo, decidi afastar-me das redes sociais e, com o início das férias, foi  uma tarefa ainda mais fácil. Preenchi os meus dias da melhor maneira possível e, assim do nada, chegamos a Setembro. A meio deste percurso percebi que o blog fazia todo o sentido para mim, mas o seu nome não. No entanto, não me preocupei com o assunto, sabia que algo iria surgir. O Anywhere surgiu, de facto, do nada e, mesmo assim, fez todo o sentido do mundo. Porque eu posso ser eu em qualquer lado e, mais importante do que isso, eu posso ser feliz em qualquer lado. 

Deixei o Early Morning, Longer Nights para trás com um carinho enorme e dou as boas vindas ao cantinho de sempre, embora renovado. Porque o lema é: eu só me permito estar onde sou feliz. E agora eu sou mais feliz aqui.

P.S: Como mudei o link do blog, terão de voltar a seguir caso queiram continuar a ver as minhas publicações no vosso feed. 
Anywhere © 2017
Design: Hello Manhattan